Back in Brazil

☞ clique aqui para ler em Português ☜

This month I celebrated one year living in the city of London. A lot of this time was spent inside a flat and sometimes when I pass by the Parliament or the London Eye I have this exotic feeling that makes me ask: hey, is it true then? Are you really living in London? To celebrate these serendipities, I would like to share with you the most important learning I comprehended since I immigrated hither, the northern island.

Everything started when I arrived. I went to live in Notting Hill and, driven by the music “Nine Out of Ten”, I discovered that the Brazilian musicians Caetano Veloso and Gilberto Gil lived to the south of the borough that I was – I made a point of walking down Portobello Road hearing “I walk down Portobello road to the sound of reggae, I’m alive” and I took many pictures of the Electric Cinema. I found weird the fact that they had lived in London – because for me London didn’t match with bossa nova, Bahia, and Carnival, but it did match with 4 o’clock tea, crown, Mini Cooper, Mr. Bin, and punk rock. However, while I was experiencing life in the city I was surprised and maybe understanding more about the experience of the Brazilian artists, why the macrobiotic, Glastonbury, Tropicalia. London is so multicultural that the British culture gets lost as it encounters itself, it lies in between. And after some weeks that allowed me to land in the energy from here, I wasn’t a foreigner, I was just another one between Italians, Nigerians, Americans, Peruvian, Argentinian, Philippines, Cambodian, German, Chinese, Jamaican, Indians, Spanish, among many others and their descendants that made here their home. And it was in this gap of a cosmopolitan culture that paradoxically separated itself from Europe two months after I had arrived that I understood beyond Caetano and Gil. My biggest learning since I immigrated here was about Brazil.

When I tried, full of energy, writing about this learning for you, I got disappointed. I found it to be a very difficult task. I learned about Brazil in many layers – political, cultural, social, spiritual – that many times are remixed in a feeling of comprehension that goes beyond what words can categorize. That is why I realized that the best thing to do was taking you to wander around Albert Memorial, located to the south of Hyde Park because perhaps it can summarise the mentioned learning-feeling. The monument was built in 1876 and it is the immense statue of Prince Albert, sitting in his throne under an elegant  Gothic ciborium. Now, imagine that we are walking around it, watching the bronze Prince staring at Albert Hall in the opposite side of it, shining an imponent gold, and we drive our attention to the details, the four corners of the memorial, on the royalties feet, where four allegoric statues represent agriculture, manufacture, engineering, and commerce. Closer to the floor and ourselves, in marble, we spot the four continents, Africa, America, Asia, and Europe. And there, either by the majesty of the Crown, either by the golden radiance of the statue, we have a chance of comprehending the power of an Empire and the place Brazil has been occupying in this landscape.

Then, we can walk some blocks towards the Thames and get into the Natural History Museum, where we will see precious stones and natural pieces of earth. And we can think, from where all of these came from? Certainly, not from England. And why is it in England where all of these are? Certainly, there is a subjacent question. After that, we can take a cab and go to Abbey Road Studios, where Pink Floyd and the Beatles recorded so many songs to enchant the world, and maybe later we can pop by Denmark Street where Jimmy Hendrix and David Bowie met for the first time. Being in these places can be breathtaking, but also makes us realize that equally is incredible the street where Cartola and Elis Regina walked together in São Paulo.

The thing is that when we are in what is considered to be the centre we can understand the borders. Like when I lived in Italy and arrived there thinking that I would step into the epicentre of the world culture and what I experienced was a culture stuck in the past – I had come from a much more creative space (where Elza Soares says with no fear “my name is now”). And all of this threw in my face the horrible reality that was sucking my thoughts for many and many years: deep inside, after 6 years in university, I still illuded myself with the idea that being Brazilian was to be inferior because there is an invisible relation between the countries from here and ours, and many others – a cultural relation taught to us in books, schools, music, culture, which is shortly based on “everything from here is better”.

However, once hither, maybe I have comprehended more about this notion of superiority and inferiority that crosses our global culture and way of living. And I concluded that it is difficult to be different when there is a system that centralizes information, and most important history – what is right and wrong, what is good or bad, in cultural terms. Even in London this exists and the immigrants are included while excluded – perhaps the city of London has become the British empire tactic to show to the world after it had invaded 80% of the territories of the same world, “look, how multicultural we are!”. But I also concluded that there is something that downgrades us as Brazilians, in the end: the lack of political culture to cultural policy-making, what I have been hearing for so many years, had passionate studied about it, but the experience puts the concepts in place and here there is a structure to the culture that makes any Latin open-mouthed. Not having a consolidated structure to cultural policy, we don’t have the environment that makes bloom the comprehension that we are also rich and that we can also be the centre, it depends on the perspective, the relation – we are all the centre.

Ten years ago I was in a Student Housing at some point during the night in a deep talk with my recent new polish friend. I admired him because he had come from distant lands, and therefore he could have a lot to teach me. He confessed to me with his eyes full of honesty that he had to live in two different countries to value where he had come from. That sometimes we need to go far away to understand where we had always been. I didn’t understand that much what he tried to say, I even asked him to explain it better. But I carried his words for a long time. And today they dance with me to the sound of funk, João Gilberto and Gil “There, in London, sometimes I felt so distant from here (…) today I feel as it going was necessary to come back, much more alive with more lived life divided to and fro”.

Julia Albertoni

*Image: Vogue, Juliet 1935.  Bibliothèque nationale de France, département Littérature et art, ark:/12148/bpt6k6542643z

The Chronicles of a Wild Woman were born from the coincidence of the leaves, the dreams and the soul writers. If you want to follow the words that follow instinct, the texts are published in Portuguese and English twice per month. Read more here and subscribe to my mailing list to receive them in your inbox 


Back in Brasil

Nesse mês eu comemorei um ano morando na cidade de Londres. Muito desse tempo se passou dentro de um apartamento e as vezes quando eu passo pela pela London Eye ou pelo Parlamento eu ainda tenho essa sensação exótica que me faz perguntar: ei, então é verdade, mulher? Você está mesmo morando em Londres? Para celebrar essas surpresas deslocadas, gostaria de compartilhar com vocês o maior aprendizado desde que imigrei para cá, a ilha do norte.

Tudo começou quando cheguei. Fui morar no bairro de Notting Hill e, levada pela música Nine Out of Ten, descobri que Caetano Veloso e Gilberto Gil moraram ao sul do bairro que eu estava – fiz questão de descer a Portobello Road ao som de “I walk down Portobello road to the sound of reggae, I’m alive” e tirei muitas fotos do Electric Cinema. Achei muito esquisito o fato de eles terem vivido em Londres – porque pra mim Londres não combinava com bossa, Bahia e Carnaval, combinava era com chá das quatro, coroa, mini cooper, Mr. Bin e punk rock. Mas conforme fui vivendo a cidade fui me surpreendendo e talvez entendendo a experiência dos artistas brasileiros que aqui passaram, o porque da macrobiótica, Glastonbury, Tropicália. Na verdade Londres é tão multicultural que a cultura britânica se perde ao passo que se encontra, está no entre. E depois de algumas semanas que me permitiram aterrisar na energia daqui eu não era a estrangeira imigrante, eu era só mais uma entre os italianos, egípcios, americanos, peruanos, argentinos, filipinos, combojanos, alemães, chineses, jamaicanos, caribenhos, indianos, espanhóis, entre tantos outros, e seus descendentes, que fizeram daqui sua casa. E foi nessa fissura de uma cultura cosmopolita que acabou paradoxalmente se separando da Europa dois meses depois de eu aterrisar que eu entendi além de Caetano e Gil. Meu maior aprendizado desde que eu imigrei para cá foi sobre o Brasil.

Quando quis escrever sobre esse aprendizado para vocês cheia de energia, frustrei-me. Encontrei imensa dificuldade. Eu aprendi o Brasil em diversas camadas – política, cultural, social, espiritual – que muitas vezes se remixam numa sensação de entendimento além do que as palavras podem categorizar. Por isso achei que o melhor a fazer é levar vocês dar uma volta ao redor do Albert Memorial, localizado ao sul do Hyde Park, talvez ele sintetize bem o dito aprendizado-sentimento. O monumento foi construído em 1876 e se trata da imensa estátua do Príncipe Albert, sentado num trono embaixo de um elegante cibório gótico. Agora, imagine que estamos caminhando ao redor do mesmo, observando o Príncipe de bronze encarar a estrutura romana do Albert Hall do outro lado da rua, brilhando um dourado imponente, e voltamos nossa atenção então aos detalhes, os quatro cantos do memorial, aos pés da realeza, onde quatro esculturas alegóricas representam a agricultura, a produção em massas, a engenharia e o comércio. Mais próximos do chão e da gente, estão em mármore os quatro continentes, África, America, Asia e Europa. E ali, seja pela grandiosidade da Coroa, seja pelo brilho dourado da estátua, temos a chance de compreender sobre o poder de um Império e sobre o lugar do Brasil nessa paisagem. 

Depois, podemos caminhar algumas quadras em direção ao rio Tamisa, e entrar no Museu de História Natural, onde veremos pedras preciosas e objetos do mundo inteiro. E podemos pensar, de onde é que tudo isso veio? Certamente não da Inglaterra. E porque é que é na Inglaterra que tudo isso está? Certamente tem uma questão subjacente. Então pegamos um “cab” até a Abbey Road Studios, onde Pink Floyd e Beatles gravaram tantos discos e encantaram o mundo, para talvez depois darmos um pulo na Denmark Street onde Jimmy Hendrix esbarrou com David Bowie pela primeira vez. Estar nesses lugares é emocionante, mas também faz a gente realizar que igualmente emocionante é a rua onde Cartola e Elis Regina caminharam juntos em São Paulo. 

A questão é que quando a gente está no que é considerado o centro existe uma energia potencial para entender as margens. Como quando eu vivi na Itália e cheguei lá pensando que entraria no epicentro da cultura mundial e o que experienciei foi uma cultura um tanto quanto presa ao passado – no fim das contas eu tinha vindo de um lugar muito mais criativo (onde Elza Soares afirma sem medo “my name is now”). E tudo isso jogou na minha cara a realidade horrorosa que estava sugando meus pensamentos há muitos e muitos anos: no fundo, bem no fundo, depois de 6 anos dentro de uma universidade, eu me iludia com a ideia de que ser brasileiro era ser inferior, porque tem uma relação invisível entre os países daqui e o nosso, e muitos outros – uma relação cultural que ensinam nos livros e nas aulas, de que, resumidamente, tudo daqui é melhor.

No entanto, ao viver nos lados de cá, talvez eu tenha entendido mais sobre essa noção de superioridade e inferioridade que perpassa nossa cultura global e nosso modo de viver. E conclui que é difícil a coisa ser diferente quando existe um sistema que centraliza informação, e principalmente a história – dizer o que é certo e o que é errado, o que é bom e o que é ruim, em termos culturais. Mesmo dentro de Londres esse esquema existe e os imigrantes são incluídos ao passo que são excluídos – talvez a cidade de Londres se tornou tática do império britânico para mostrar ao mundo, depois de ter invadido 80% dos territórios do mesmo mundo, “veja como somos multiculturais”. Mas sim eu conclui que existe uma coisa que nos inferioriza como brasileiros, no fim das contas: a escassez de uma cultura política para política cultural, que por tantos anos eu ouvi falar, estudei apaixonada, mas a experiência engrandece, põem os conceitos no lugar e aqui tem uma estrutura para a cultura de deixar um latino de boca aberta. Não tendo uma estrutura política cultural consolidada, não temos o meio ambiente que faz crescer entendimento de que somos ricos e de que também podemos ser o centro, tudo depende da perspectiva, da relação – todos somos o centro.

Há dez anos atrás eu estava numa casa de República Estudantil a qualquer hora da madrugada tecendo um papo profundo com meu novo amigo polonês. Eu admirava ele porque ele havia vindo de terras distantes, e por isso teria muito a me ensinar. Ele me confessou com os olhos cheios de sinceridade que teve que morar em dois países diferentes para conseguir valorizar de onde ele veio. Que as vezes a gente tem que ir longe para entender onde esteve. Na época eu não compreendi muito bem o que ele quis dizer, tive até que fazer ele se explicar melhor. Mas eu carreguei suas palavras por muito tempo. E hoje elas dançam comigo ao som de um funk, João Gilberto e Gil “Lá em Londres vez em quando me sentia longe daqui (…) hoje eu me sinto como se ter ido fosse necessário para voltar, tanto mais vivo de vida mais vivida dividida pra lá e pra cá”.

Julia Albertoni

➳ Image: Vogue, Juliet 1935.  Bibliothèque nationale de France, département Littérature et art

As Crônicas De Uma Mulher Selvagem nasceram da coincidência das folhas, dos sonhos e da potência das escritoras da alma. Se você quer acompanhar as palavras que seguem o instinto, os textos são publicados em Português e Inglês duas vezes por mês aqui. Saiba mais sobre elas aqui e assine minha lista de e-mails para receber elas no seu inbox 

2 thoughts on “Back in Brazil

  1. Gostei muito das palavras finais. Eu divido um pouco desse sentimento, ao viver por um pouco mais de um ano aqui em Berlim. Às vezes é necessário ir para longe para realmente entendermos de onde viemos. Isso é importante também para nos afirmarmos enquanto estrangeiras possuidoras também de história, cultura…

    Like

    1. É, acho que nos conecta a uma verdade. E reconhecer isso ajuda a trazermos narrativas das margens para o centro. Acho que fazer essa ponte é fundamental 🙂 Você mora em Berlim? Acabei de ver seu site. Não sei se te conheço ou te conheci, mas adorei seu About 🙂 Feliz de poder conectar!

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s