The Secret Keeper

☞ clique aqui para ler em português ☜

When you come to London it is most likely that at some point of your journey you are going to visit Hyde Park, the largest of the four parks that form an affluent chain to Buckingham Palace entrance. From there you may go to different popular areas of the city, Oxford Street, Queensway, Kensington High Street, Albert Hall, or simply enjoy the many gardens, statues, sculptures and green spaces of the park. It is also there where you will find the royal residence Kensington Palace – particularly eccentric for Brazilians like me – and in front of its gardens you will also see the Round Pond, home for numerous ducks and swans of different colours and shapes. If by any chance you are lucky enough to sit in one of the benches surrounding the pond in order to eat a delicious piece of chocolate while the winter twilight falls behind the marble Queen Victoria statue, as I did some months ago, moony thoughts may come into your mind taking a huge pleasure out of you. It is precisely in this type of moment, when reality looks like a dream, not because it is a kind of fairytale, but because there is a flicker in time and space that hovers us somewhere in between, that we may find it, calming our soul, silence.

Barely recognisable because it has probably been hiding itself for so long, at the moment that we find the lost silence of our minds it looks like that we have encountered a palace. Our eyes may glitter in a peaceful happiness difficult to explain in words and maybe we don’t even need to enter its silver doors to already feel the quietness clearing our thoughts, bouncing our memories and connecting us to the present. The simple sight of what has been lost can be enough. However when we do have a chance to enter it, a stream of light bursts into our heads until silence becomes our fortress. And as soon as we get used to our old new space, exploring its secret passages and shiny halls, we may find the windows of the second floor, those that allow us to see the beautiful gardens, the trees, the pond and the ducks.

I watch them glide in the turfy waters of the pond. But it is not goddess Saquana that speaks to me. The ducks do. And then something about Orwell’s imagined future hits me: the duck speaking, a type of speech used by the Big Brother control to make the speaker disconnect from thinking in which the poor ducks are the metaphor for. I finally understand. Their shrieking sound manifests something that veils in the shadow of ourselves and that constantly brings us to an extreme point of controversy of the mind: the idea that we need to be saying, sharing, talking, speaking, creating narratives that don’t take us anywhere apart from more sound. A sound without essence. A sound disconnected from thinking. I almost don’t believe that I could also duck speak from times to times. I mean, the duck language must only apply for chatty Aunt Margie that comes to Sunday lunch once in a lifetime or for the television channel that buzzes in the background of our house. But while I am inside the palace, immersed in the infinite silence of myself, watching the distant pond through the immense windows, the most bizarre millennium sensation strikes over my body. I feel something between shame and anxiety because it is almost outrageous that I don’t have anything to say, or even better, to share. Should I really leave my opinion within the secret space called myself?

I cannot answer anymore. I am too distracted with the sound. It persuades me. And the feeling of shame and anxiety makes me burst open the windows of the second floor. I look at the shiny surface of the pond where now technologies attractively swing. The duck speaking floods my ears and my space. There, lingering in the sill, even though I don’t live in Orwell’s imagined future, I can’t help myself, I also start quacking. Everything that I didn’t say for a while comes out of me without a single string of thinking. I am disconnected. Language traps me until… until the sound dismantles my palace. I am in the pond now. I don’t have the clarity that silence allowed me to have before. What is the point to be another duck?, I ask myself, doing my best to gather the pieces of my fortress. 

And then these ideas start emerging. The same that make us believe that we are the original ugly duck. Those ideas that poison the waters and that persuade us saying that to get back to the palace of silence we absolutely need to climb the Himalayas, go to an ashram in India or live like an old isolated hermit for years in a cavern – things that are quite impossible for a poor, humble and simple duck to accomplish. We are doomed. We will never get to the quiet space of our souls again. Therefore we just keep on quacking, creating more and more sound, destroying more and more palaces. Oh, what if we could just have a glimpse of our palace again… maybe we could remember the we don’t need to do those things to get what we are looking for. It is right over there, across the gardens, waiting for our attention.

The time passes by and the trees start covering the relics of our palace. The overgrown weeds and plants transforms its ruins into something like an archeological site. But we know that we need to overcome the pond. Deep down in our hearts, we just do. It takes a lot of effort of the mind to realise that the trail to the hidden palace is closer than we think it is. It takes even more courage to start the journey in order to find it. And it takes practice to be aware of the illusions of the pond.

However when we finally get out of the waters and catch a glimpse of the palace again, we are not like a hermit walking alone in the mountains. We are not like a monk living in the precious temple in front of the waterfall. We are not like a shaman in the meditation cavern of the dark forest. Silence is here and now. We can be in the middle of the market crowd, taking a tube in the peak time, walking in a department store that has just announced sales season or sitting in a bench at Hyde Park whilst an old woman gives the ducks pieces of bread… her back glowing by the winter twilight, you are there, we are there, here, peaceful as the sky. I wonder if it is the age coming, embracing us in wrinkles of wisdom and making us feed the ducks without the need to quack ourselves. Or maybe it is just us realising that life is our own secret to keep.

➳ Image: Vogue, Avril 1939.  Bibliothèque nationale de France, département Littérature et art

The Chronicles of a Wild Woman were born from the coincidence of the leaves, the dreams and the soul writers. If you want to follow the words that follow instinct, the texts are published in Portuguese and English twice per month. Read more here and subscribe to my mailing list to receive them in your inbox 

O Guardador de Segredos

Quando você vier para Londres é muito provável que em algum momento da sua jornada você visitará o Hyde Park, o maior dos quatro parques que formam uma luxuosa corrente de parques até a entrada do Buckingham Palace. Dali você pode ir para diferentes áreas populares da cidade, Oxford Street, Queensway, Kensington High Street, Albert Hall ou simplesmente aproveitar os diversos jardins, estatuas, esculturas e áreas verdes do parque. É ali também que você encontra a residência real chamada Palácio de Kensington – particularmente excêntrica para brasileiros como eu – e em frente aos seus jardins reais você irá também ver um lago chamado Round Pond, onde variados patos e cisnes de diferentes cores e tamanhos vivem. Se você é sortudo o suficiente para sentar em um dos bancos que circundam o lago a fim de comer um delicioso pedaço de chocolate enquanto o crepúsculo de inverno cai atrás da estatua de marfim da Queen Victoria, como eu fiz alguns meses atrás, pensamentos abstratos e místicos podem surgir na sua mente para te dar um imenso prazer. É precisamente nesse tipo de momento, quando a realidade parece um sonho, não porque é um tipo de conto de fadas, mas porque há uma brecha no tempo e espaço que nos pendura em algum lugar intermediário, que nós podemos o encontrar, acalmando nossa alma, silêncio.

Praticamente irreconhecível porque provavelmente esteve se escondendo por muito tempo, ao acharmos o silêncio perdido das nossas mentes é como se encontrássemos um palácio. Nossos olhos podem reluzir numa felicidade pacífica difícil de explicar com palavras e nós talvez nem precisamos passar pelas suas portas prateadas para já sentir a quietude acalmando nossos pensamentos, revertendo nossas memórias e nos conectando com o agora. O simples ato de avistar o que esteve perdido por tanto tempo pode ser suficiente. Mas quando temos a chance de entrar, uma corrente expande dentro de nossa cabeça até o silêncio se tornar uma fortaleza. E assim que nos acostumamos com esse novo velho espaço, explorando suas passagens secretas e corredores brilhantes, podemos acabar encontrando as janelas do segundo andar, aquelas que nos permitem avistar os belos jardins, as árvores, o lago e os patos.

Eu vejo eles deslizarem sobre as águas turvas do lago. Mas não é a deusa Saquana que fala comigo. Os patos falam. E então algo sobre o futuro imaginado de Orwell me atinge: grasnar como patos, a linguagem usada pelo Grande Irmão para fazer o orador se desconectar da razão na qual os pobres patos são a metáfora. E assim eu finalmente compreendo. O som gritante deles manifesta algo oculto numa parte sombria de nós mesmos que constantemente nos traz para um ponto extremo de controvérsia da mente: a ideia de que nós temos que estar falando, dizendo, compartilhando, discursando, criando narrativas que não nos levam a lugar algum a não ser mais som. Um som sem essência. Um som desconectado do pensar. Eu quase não acredito que eu também posso grasnar como um pato de tempos em tempos. Quero dizer, deve ser uma língua que apenas a tagarela Tia Margarete que vem para o almoço de domingo uma vez na vida ou o canal de televisão que chia no fundo da nossa casa falam. Mas enquanto eu estou dentro do palácio, imersa no silêncio infinito, vendo o lago distante através das janelas imensas, a mais bizarra sensação de um millennium percorre meu corpo. Eu sinto algo entre vergonha e ansiedade porque é quase um ultraje eu não ter nada para dizer, ou melhor, para compartilhar. Eu deveria realmente deixar minha opinião dentro do espaço sagrado chamado eu mesma?

Eu não posso mais responder. Eu estou muito distraída com o som. Ele me seduz. E o sentimento de vergonha e ansiedade me faz abrir as janelas do segundo andar. Eu olho para a superfície brilhante do lago onde agora tecnologias estão atrativamente suspensas. Os grasnos dos patos inundam meu espaço. Lá, debruçada sobre o peitoril da janela, mesmo que eu não viva no futuro imaginado do Orwell, eu não posso me conter, eu também começo a grasnar. Tudo o que eu não falei por um tempo sai para fora de mim sem uma única sequência de lógica. Eu estou desconectada. A linguagem me prende até… até o som desmanchar meu palácio. Eu estou no lago agora. Eu não tenho mais a clareza que o silêncio me permitiu antes. Qual é o objetivo ser outro pato mesmo?, eu pergunto, fazendo o meu melhor para juntar os pedaços da minha fortaleza.

E então umas ideias começam a emergir. As mesmas que fazem a gente acreditar que nós é que somos o patinho feio original. As mesmas que envenenam as águas e nos persuadem dizendo que para voltar para o palácio do silêncio nós definitivamente precisamos escalar o Himalaya, ir para um ashram na Índia ou viver como um velho ermitão isolado numa caverna por anos – coisas que são quase impossíveis para um pobre, humilde e simples pato realizar. Nós estamos condenados. Nós nunca vamos voltar para o espaço silencioso das nossas almas novamente. Por isso, nós continuamos grasnando, criando mais e mais som, destruindo mais palácios. Ah, mas se nós pudéssemos apenas ver um vislumbre do nosso palácio de novo… talvez lembraríamos que não precisamos daquelas coisas para conseguir o que procuramos. Está logo ali, depois dos jardins, esperando pela nossa atenção. 

O tempo passa e as árvores começam a cobrir as relíquias do palácio. A mata transforma as suas ruínas em algo próximo a um sítio arqueológico. Mas nós sabemos que nós precisamos triunfar o lago. Lá dentro do nosso coração, nós apenas sabemos. É necessário um monte de esforço mental para entender que a trilha para o palácio escondido está mais próximo do que imaginamos. É necessário coragem para começar a jornada com o objetivo de a encontrar. E é necessário  prática para estar consciente das ilusões do lago. 

No entanto quando nós finalmente saímos das águas e mais uma vez vislumbramos um pedaço do palácio, nós não somos um ermitão caminhando sozinho nas montanhas. Nós não somos como um monge vivendo no templo precioso em frente a cachoeira. Nós não somos um shaman dentro da caverna da meditação na floresta escura. O silêncio está aqui e agora. Mesmo que nós estivermos no meio da multidão do mercado público, pegando um metrô em hora de pico, caminhando numa loja de departamento que acabou de anunciar temporada de descontos ou sentada num banco no Hyde Park enquanto uma mulher velha dá pedaços de pão para os patos… suas costas cintilando pelo crepúsculo de inverno, você esta lá, nós estamos lá, aqui, pacíficos como o céu. Eu me pergunto se é a idade chegando até nós, envolvendo-nos em rugas de sabedoria e na nos fazendo alimentar os patos sem a necessidade de termos que grasnar. Ou talvez é apenas nós mesmos nos dando conta que a vida é um segredo único para guardar.

➳ Imagem: Vogue, Avril 1939.  Bibliothèque nationale de France, département Littérature et art

As Crônicas De Uma Mulher Selvagem nasceram da coincidência das folhas, dos sonhos e da potência das escritoras da alma. Se você quer acompanhar as palavras que seguem o instinto, os textos são publicados em Português e Inglês duas vezes por mês aqui. Saiba mais sobre elas aqui e assine minha lista de e-mails para receber elas no seu inbox 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s